domingo, 2 de agosto de 2009

Batuque de Bamba - Economia da Experiência

Segundo Joseph Pine e James Gilmore, em seu livro: "Experience Economy", hoje em dia, não basta apenas prestar um bom serviço.
Os serviços devem oferecer aos clientes a opotunidade de vivenciar experiências memoráveis, sensorialmente inesquecíveis. Sendo "bastante sucinta", para se alcançar este objetivo, é necessário que o serviço forneça ao cliente Educação (a experiência deve oferecer uma troca, deixar a sensação de valor agregado), Entretenimento, (é necessário que as pessoas se divirtam), Estética (Qualidade, é a palavra, em recursos tangíveis - físicos) e por último Evasão (é preciso que o usuário do serviço esqueça do e na chamada "hora-verdade", saia de seu universo cotidiano que aproveite ao máximo o que esta sendo compartilhado, ou seja, para você, caro organizador, empreendedor, gerente... "Faça paixão, com paixão!")
Difícil?
Tsc.. Que nada... Isso já acontece hoje. As pessoas já tiveram essa percepção e já trabalham com isso há algum tempo, alías (a diferença é que agora isso tem uma validação acadêmica e uns retoques mais profissionais, vide os queridos Pine e Gilmore e muitos outros já produzindo no Brasil, citando o respeitadissimo Professor Gândara e meu querido amigo Pedro Lopes - monografia sobre Economia da Experiência no Turismo)
Exemplos não faltam! Você por acaso, já foi a algum restaurante e o chefe o levou para ver como o alimento é feito e além disso, o convidou a fazer um prato? (Não? Calma, isso no Brasil ainda é raro, mas ta indo...) Ok, esse não foi o melhor exemplo, então vejamos... Você já esteve numa festa e o DJ o convidou para tocar um set, ou a banda de repente desce do palco e começa a tocar no seu meio assim, onde está a galera? (Teatro Odisseia, não me recordo o dia, 'Orquestra Voadora" (divulgação 1), tem outros exemplos ótimos também, mas não vou me estender). Você já fez uma passeio de barco e teve a oportunidade de mergulhar equipado e ver o quanto é lindo "ali embaixo"? Ah, mas provavelmente você já esteve numa sorveteria e o vendedor lhe ofereceu uma prova daquele sorvete maravilhoso? Você que já viajou, por exemplo, para um campo de concentração nazista? Já foi pra Disney? Ou para o museu do Chocolate em Gramado? Você já percebeu que a Copenhagem não vende "chocolates" e sim "presentes", (olha o valor que eles agregam ao chocolate?) Você já esteve num ensaio de escola de samba ou mesmo num desfile? ... Os exemplos são inúmeros, por mais que você não tenha feito nada disso, provavelmente já visitou algum lugar, foi a alguma festa, fez alguma coisa que tenha lhe transmitido uma experiência da qual não vai esquecer. Pois é, quam organiza isso e com o intuito de lhe transmitir esses 4 "Es" que falei acima, esta praticando a economia da experiência! Por que to falando isso tudo e o que isso tem a ver com o título deste post?????
Kra...Esses kras dai de cima estão fazendo isso, não sei se de maneira ciente ou não, rs mas estão fazendo...
Pra quem não sabe, o Batuque de Bamba é uma oficina de percussão...Ops..desculpe, equivoquei-me, mais que uma oficina de percussão, como os próprios se identificam, " Mais do que uma fábrica de ritmistas, uma fábrica de amigos" ("olha o valor que eles agregam" (2) à oficina). Não estaria falando isso aqui se não fosse verdade, não é so um slogan, mas é prática. Os kras fazem aquilo gostando sabe, ao menos é essa a impressão que passam e passam muuito bem. Mega simpáticos, animados, pacientes... Uns amores!
Você que não sabe absolutamente "ene - a - dê - a" (nada) de percussão (assim como eu não sabia há alguns meses atrás), aparece lá! Pode aprender tamborim, repique, caixa de guerra, agogô, chocalho e surdo (todas as marcações) brincando, leve, sem pressão, divertidamente. (me acabo no tamborim e to pra me acabar no repique e na caixa, isso porque ja dei umas experimentadas no surdo). De quebra, vai assistir a umas palestras meega interessantes que eles fazem sobre o Samba, comer um churrasquinho ba-ca-na, se sentir "o percussionista" na prática em grupo final e conhecer pessoas de diversas cores, tipos e tamanhos (eu sou bem baixinha, por exemplo), de diversos lugares, gostos, atitudes...iii, bem diverso! Tsc ah... Meu sábado ta ganho!
O lugar é leve sabe, (percebi depois de algumas conversas com meus "colegas" que alguns lugares são chatos, rola uma pressão, um brilhantismo de algumas pessoas, uma panelada só...) "lá tem isso não, viu nego", terapia em grupo e de graça! Ah, ja ia me esquecendo, estão começando uns trabalhos sociais com doações etc... MUITO LEGAL! Sério saio de lá ótima, aprendi, fugi do meu mundo normal, me diverti pracas, só falta agora eu comprar a camisa, (porque vestir, eu já vesti bem essa causa), mas olha, eles tem viu, (bem legal por sinal). Ou sejá, olha os 4"Es" aiii genti!!!!

Alguma dúvida sobre a Economia da Experiência?????? Pow, agora só vendo mesmo...vai lá! ;)

(olha eu divulgando os kras, não sei nem se tem vaga ainda..., xô consertar:
obs gnt... "Acompanhem o calendário de aulas, acho que algumas turmas estão cheias, só dar uma conferida!"
ah!...mas também...divulgação (2) nem sempre é demais neh...rs ;)

obs: Comunidade da Oficina no Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=11434321

2 comentários:

  1. THOMAS SAZON DA BATUQUE DE BAMBA4 de agosto de 2009 21:32

    KARAK MUITO BOM!!! BATUQUE MAIS QUE UMA FABRICA DE RITMISTAS, UMA FABRICA DE AMIGOS, QUEM QUISER PODE CHEGAR, ESTAMOS AI DISPOSTOS A ENSINAR E FAZER NOVOS AMIGOS SEMPRE

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto, bem escrito e ótima análise. você realmente pegou a essência daquilo que sempre foi a filosofia do batuque, desde antanho, no "caciquinho" da rua do senado. parabéns!!!

    ResponderExcluir